02 junho 2006

Vigília no N.Ex.T

Hoje a noite, no Teatro N.Ex.T, acontece a leitura dramática de "Vigília", que conta a história de um sujeito que não dorme há alguns anos. A leitura faz parte do ciclo de encerramento dos trabalhos do projeto Escrita Aberta, da Cia dos Dramaturgos, contemplado pela Lei de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo. Pra quem quiser aparecer, abaixo vão as informações:
Vigília
Elenco: Alfredo Rollo, Joaz Campos e Robson Regato
Direção: Danielle Farias
Local:N.Ex.T (Rua Rêgo Freitas, 454)
Data e hora: Hoje, 20h
Quanto custa: Nada.

02 abril 2006

Sobe?

Elevadores de um grande edifício comercial.
A frente, área livre que serve ora como hall, ora como andares do edifício.

[12º andar ]
Agnes, o pobre, procura pelo serviços da Moira Associados Advogados.

[16º andar ]
Jarbas, enfim, terá uma manhã feliz: é seu primeiro dia como contador da Kakimoto Contabilidade. Dona Sônia, administradora do prédio, gostará da boa nova.

[19º andar]
É amanhã: duas jovens ensaiam “As três irmãs”, deTchecóv.

[21º andar]
Renata e Meire. Duas secretarias de uma empreiteira. Alguns comprimidos, pilhas de marmitas e um caso de corrupção.

[25º andar]
O que poderá entristecer o coração do mais importante publicitário do país?

[35º andar]
A pequena menina de olhos azuis é convencida pelo lobo a desviar seu caminho.

[40º andar]
Não se nega um pedido paterno. Nem mesmo um príncipe dinamarquês poderia se furtar a ajudar seu velho.

PEÇA DE ELEVADOR
Um espetáculo da Cia Elevador de Teatro Panorâmico


Direção de Marcelo Lazzaratto
Texto de Cássio Pires

.Adhemir Emboava {Jarbas e Horácio}
.Carolina Fabri {D. Sônia, 1ª atriz, Assessora}
.Gabriel Miziara {Agnes e Fantasma}
.Heloisa Cintra {Ascensorista}
.Juliana Pinho {Renata, Mensageira}
.Marcelo Lazzaratto {Lobo}
.Marina Vieira {Meire, Vovozinha, 2ª atriz}
.Pedro Haddad {Publicitário, Rei Cláudio, Segurança}
.Thatiana Bott {Chapeuzinho, Simone, Gertrudes, Segurança}
.Thiago Fidanza {Hamlet}

.trilha sonora: Daniel Maia
.cenário: Ulisses Cohn
.figurinos: André Cortez
.iluminação: Marcelo Lazzaratto
.ass. de direção: Mirela Altavista

Estréia: 6 de abril de 2006
CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL
Rua Álvares Penteado, 112
quintas e sextas, às 19:30


Ingressos: R$ 15,00 e R$ 7,50 (estudantes com carteirinha)

Projeto Escrita Aberta: mesa 3

No próximo dia 5/04, quarta-feira, a Cia dos Dramaturgos promove a terceira de uma série de seis mesas redondas que integram o conjunto de atividades do Projeto Escrita Aberta, contemplado com a Lei de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo. A partir das indagações e das pesquisas dos dramaturgos integrantes da companhia, seis temas que procuram relacionar dramaturgia e aspectos da realidade contemporânea foram eleitos para a constituição dessas mesas, que serão abertas ao público.

3ª mesa
Mentira ou Ficção?

A terceira mesa terá como tema Ficção/Realidade, e versará sobre os limites entre o que é considerado real e o que daí advém como ficção. Para refletir sobre essa questão e contribuir com a pesquisa da Cia dos Dramaturgos, a mesa será composta por três artistas que se debatem com esse tema em seus trabalhos.

debatedores

Evaldo Mocarzel
Jornalista e documentarista. Por sete anos, foi editor do Caderno 2 do jornal Estado de São Paulo. Dirigiu quatro documentários premiados: À Margem da Imagem, Do Luto à Luta, Mensageiras da Luz: Parteiras da Amazônia e À Margem do Concreto.

Maurício Arruda
Diretor do programa Altas Horas, da TV Globo. Escreveu, em parceria com José Roberto Torero, o roteiro do curta metragem Uma História de Futebol, dirigido por Paulo Machline e indicado ao Oscar de Melhor Curta Metragem de 2001.

Roberto Moreira
Professor do curso de audiovisual da ECA/USP, roteirista, juntamente com Jean Claude Bernardet, do filme Um Céu de Estrelas, dirigido por Tata Amaral e roteirista e diretor do filme Contra Todos.

dia 5 de abril de 2006 quarta-feira 20:00 h
Casa das Rosas - Av. Paulista, 37
próxima à estação Brigadeiro do Metrô

ENTRADA FRANCA
Retirar senha no local, com trinta minutos de antecedência
informações:
ciadosdramaturgos@uol.com.br

19 março 2006

Banho em Curitiba

Um beijo adolescente e o depois: dois pontos de vistas sobre uma experiência de iniciação. Cada qual a seu modo, duas tragédias. De um lado, a tragédia do agora, do outro, a tragédia do porvir. Escolha por qual banheiro deseja começar e depois assista ao outro.

Graças a bravura da Erica, que carregou a produção nas costas, faremos 4 apresentações no Museu Paranaense, todas a luz do dia.


PARA UM BANHO DEPOIS DA TARDE
De Ana Roxo e Cássio Pires
Com Erica Montanheiro e Thiago Adorno
Direção de Ana Roxo

Museu Paranaense
Rua Kellers, 289 - Curitiba - PR
23 e 24/3 - 12:00 25 e 26/3 - 15:00
R$ 15,00 (inteira) - R$ 7,50 (meia)


Apoio cultural:
Casa das Rosas; Secretaria de Cultura do Paraná, Museu Paranaense; Água Doce Cacharia.

04 março 2006

Projeto Escrita Aberta: ciclo de mesas redondas

No próximo dia 8/03, quarta-feira, a Cia dos Dramaturgos promove a segunda de uma série de seis mesas redondas que integram o conjunto de atividades do Projeto Escrita Aberta, contemplado com a Lei de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo. A partir das indagações e das pesquisas dos dramaturgos integrantes da companhia, seis temas que procuram relacionar dramaturgia e aspectos da realidade contemporânea foram eleitos para a constituição dessas mesas, que serão abertas ao público.

2ª mesa
Nós somos o que vocês disseram que somos?

“A história foi feita pelos homens. E escrita por eles. Aliás, tudo foi escrito, analisado, estudado pelos homens. Inclusive as mulheres. Quer dizer, tudo que se fala e sabe sobre mulher foi dito pelos homens. Pelo menos, até uns poucos anos atrás. Faz muito pouco tempo que as mulheres escrevem. Talvez por isso nenhuma se debruçou tanto sobre a alma feminina quanto Machado de Assis, Flaubert, Balzac, Tolstói, entre centenas na literatura. Ou como você e Chico entre outros na nossa música. Somos Capitu, Gabriela, Carolina, Tigresa. Somos o que vocês disseram que somos.”
(Alice Ruiz, em carta aberta a Caetano Veloso)

debatedoras

Carô Murgel
Pesquisadora de Música Popular Brasileira, Defendeu recentemente sua dissertação de mestrado sobre a produção musical feminina na Vanguarda Paulista, enfocando os trabalhos de Alice Ruiz, Alzira Espíndola, Tetê Espíndola e Ná Ozzetti.

Johana Albuquerque
Diretora teatral, dirige a Bendita Trupê, atualmente em cartaz com o espetáculo “Miserê Bandalha”

Lucia Romano
Atriz, trabalhou em espetáculos dirigidos por Cibele Forjaz, Martia Thaís, William Pereira e Gabriel Vilella, entre outros.

mediação
Soninha

vereadora do munícipio e colunista da Folha de S.Paulo

dia 8 de março de 2006 quarta-feira 20:00 h
Casa das Rosas - Av. Paulista, 37
próxima à estação Brigadeiro do Metrô

ENTRADA FRANCA
Retirar senha no local, com trinta minutos de antecedência

informações:
ciadosdramaturgos@uol.com.br

21 fevereiro 2006

Vertigo

Scottie tem medo de altura.
Eu tenho medo de não sair do chão.

28 novembro 2005

Fim do Banho

A temporada do Para um banho depois da tarde terminou neste domingo. No final das contas, foi ótimo. Se quase tudo der certo ou o quer errado não for decisivo, reestreamos em 2006, em fevereiro.

18 novembro 2005

Apresentação extra

Faremos uma apresentação extra de Para um banho depois da tarde na madrugada deste sábado para domingo, às 2h, lá na Casa das Rosas. A apresentação faz parte da programação do Virada Cultural (fazer o que, o nome é esse mesmo), evento promovido pela prefeitura. Pra quem ainda não sabe, a Virada é uma festividade cultural inspirada nas "Noites Brancas" que acontecem em algumas capitais européias. Durante 24 horas, das 14h do dia 19 até às 14h do dia 20 de novembro, vão acontecer uma série de atividades culturais em vários pontos da cidade. Pra quem estiver afim de dar um passeio pelo Paulista no meio da madrugada, é uma boa oportunidade para assistir ao espetáculo. Para quem quiser dormir mais cedo, nossa apresentação de sábado às 21h também será realizada. Duas chances numa noite só.
Informações sobre o espetáculo, leia o post abaixo.
Informações sobre a Virada, aperte o rato: www.viradacultural.com.br

04 novembro 2005

Para um banho depois da tarde


É uma reestréia. Fizemos algumas apresentações em julho deste ano, lá na Casa das Rosas, onde voltará a ser apresentado. Começou com uma cena da Ana Roxo, "Banho", sobre uma adolescente mergulhada em uma banheira, tentando se lavar de uma dor (sim, vou fazer mistério). A Ana me entregou uma cópia da cena e me disse: "Você não quer escrever uma resposta?". Fiz. Chama-se "Pólen". Depois, a Erica e o Adorno agarram-se aos textos com uma entrega que comove qualquer dramaturgo.
A peça acontece nos banheiros da Casa. O público é dividido em dois grupos, um segue para o banheiro onde está a menina e o outro para o banheiro onde está o menino. Depois, invertem. É um trabalho bastante simples, de pouquíssimos recursos. Ator, texto, nossas tentativas sobre a cena simultânea e a questão do ponto de vista inerente à simultaneidade. Espero encontrá-los por lá.
Para um banho depois da tarde
de Ana Roxo e Cássio Pires
Com Erica Montanheiro e Thiago Adorno
Direção de Ana Roxo
Estréia nesse sábado, dia 5/11, às 21:00
Casa das Rosas
Avenida Paulista, 37
Nos finais de semana de novembro
sábados, 21h domingos, 20h
R$ 10,00
Realização e Produção:
Cia dos Dramaturgos

06 setembro 2005

Dramaturgia brasileira em Milão




Sábado agora, dia 10 de setembro, começa o Tramedautore 2005, um festival internacional de leituras dramáticas que acontece há alguns anos em Milão, Itália. Neste ano, a programação será formada por dramaturgos do Brasil, da Finlândia, da Noruega, da Dinamarca, da Islândia e da própria Itália.

Serão quatro os textos brasileiros: "Quase Nada”, de Marcos Barbosa, “Fica comigo esta noite”, de Flávio de Souza, “Vestir o Pai”, de Mário Viana e “Perímetro”, texto meu que, no ano passado, foi lido em um outro festival, em Florença e Roma.

Aperte o rato e veja a programação completa: http://www.outis.it/2005_programmadettagliato.htm

Vou pra lá amanhã. Vamos ver.

05 setembro 2005

Vendendo o peixe













Aos que têm perguntado sobre o livro da Cia dos Dramaturgos e aos que nem sabiam da existência do tal. Para comprá-lo, as alternativas são as seguintes:

a) Centro Cultural São Paulo em qualquer dia, menos segunda. (Aproveita que vai até lá para comprar o livro e assiste uma de nossas peças que estão em cartaz, ou então, aproveita que foi assistir uma de nossas peças e compra o livro)
b) Livraria da Vila, na Fradique Coutinho, em Pinheiros.

c) Livraria do Espaço Unibanco de Cinema, na rua Augusta, 1475.
d) Livraria Metido a Sebo, na rua Dr. Vila Nova, 81, cj. 11.
e) Rato de Livraria, na Rua do Paraíso, 790.

Todas as alternativas são corretas. Seja lá qual a escolhida, em todas elas você terá de sacar 20 côvados da algibeira.

Quando abrí-lo, você vai encontrar uma apresentação da Silvana Garcia e quatro peças, cada qual devidamente prefaciada:

. [ainda sem título], da Ana Roxo, com prefácio do Newton Moreno.
. A degola, de Paula Chagas, com prefácio de Paulo Santoro.
. O mata-burro, de Fabio Torres, com prefácio de Aimar Labaki
. Mais Um, texto meu, com prefácio de Bosco Brasil

Um começo

Ando muito preocupado com trens e elevadores. Me lembrei de uma passagem do Machado, numa crônica chamada “Meditações no bonde”. Todo começo comete um crime brando: o da arbitrariedade. É começo, mas poderia ser meio ou fim. Faço das palavras dele meu começo, desconfiado de que poderiam ser o meu clímax, ou anti-clímax, que seja:

“Ninguém sabe o que sou quando rumino. Posso dizer, sem medo de errar, que rumino muito melhor do que falo. A palestra é uma espécie de peneira, por onde a idéia sai com dificuldade, creio que mais fina, mas muito menos sincera. Ruminando, a idéia fica íntegra e livre. Sou mais profundo ruminando, e mais elevado também.” [21/01/1889]